Blog

A criança não quer ficar na cadeirinha: Veja o que fazer!

Enfrentar a resistência de uma criança para sentar na cadeirinha ou bebê conforto do carro é um desafio comum para muitos pais. Este artigo oferece estratégias práticas e dicas valiosas, baseadas em experiências de outras mães e dicas de especialistas.

O texto traz de forma clara, rápida e objetiva, dicas para ajudar a tornar esses momentos de viagens com os pequenos menos estressantes e mais seguros. Saiba agora o que fazer quando a criança não quer ficar na cadeirinha!

Passo 1: Empatia e Comunicação

Tenha uma conversa aberta e sincera, reconheça os sentimentos da criança. Diga que entende que ela está triste ou frustrada, mas explique que é necessário para sua segurança. Mostre amor e compreensão durante todo o processo.

Eu sei que você está chateada(o), mas preciso te proteger porque te amo.

Exemplo do que dizer

Para as crianças maiores, é valido explicar que não usar a cadeirinha pode resultar em multas ou machucados. Isso ajudará a criança a entender a seriedade do assunto e o seu compromisso em protegê-la.

Passo 2: Transforme em Brincadeira

Torne a experiência de sentar na cadeirinha divertida. Pode ajudar e muito, transformar o momento de sentar na cadeirinha em uma brincadeira. Como exemplo, você pode dizer que o bebê conforto é a “cadeira do astronauta”, “trono do rei ou trono da princesa”.

Essa é uma forma lúdica, cria um cenário divertido e se sentir mais inclinadas a participar.

Passo 3: Persistência é a Chave

Toda fase da vida da criança exige adaptação, e a adaptação para determinadas situações levam tempo. É super normal que bebês e crianças achem estranho a cadeirinha inicialmente. Com persistência, a expectativa é que até os 2 anos de idade eles estejam totalmente adaptados.

Algo que pode ser usado como estratégias adicionais são fazer pausas em viagens longas de carro para tirar a criança da mesma posição, usar brinquedos para cadeirinhas, livros educativos divertidos ou jogos para distração. E o fundamental, nesse processo de adaptação o ideal é ter alguém no banco de trás junto com a criança, elas se sentirão mais seguras.

Passo 4: Faça uma Bagunça Sensorial

Pode parecer que não, mas fazer uma associação entre cadeiras de alimentação e a cadeirinha veicular pode fazer a diferença. Por exemplo, permita que a criança faça uma farra durante suas refeições. Deixar os bebês usarem as mãos e utensílios infantis para comer pode ajudá-los a se sentirem mais independentes e menos incomodados por estar na cadeirinha de auto.

Veja também: Como fazer o bebê não chorar na cadeirinha?

Passo 5: Ser calma e Ter flexibilidade

Escolha suas batalhas! Defina suas prioridades e decida quais batalhas são realmente importantes. A segurança do uso da cadeirinha é uma prioridade máxima, mesmo em curtos trajetos, mas outras pequenas batalhas, como a escolha das meias ou brinquedos, podem ser flexibilizadas para evitar conflitos desnecessários.

Passo 6: Exigências vs. Pedidos

Deixe claro todas as regras. É fundamental fazer a diferença entre exigências e pedidos.

Pedidos dão à criança a opção de dizer não, enquanto exigências são obrigatórias. Por exemplo, sentar na cadeirinha de carro é uma exigência, assim como escovar os dentes antes de dormir.

Filho, é hora de escovar os dentes!

Exemplo de exigência

Filho, você pode me emprestar o seu brinquedo?

Exemplo de pedido

Passo 7: Contato Físico e Segurança

Use o mínimo de força. Se a criança continuar a resistir, segure-a com o mínimo de força necessário para colocá-la na cadeirinha. Sempre com firmeza, mas sem violência ou gritos.

Segure a criança pelo quadril e ombros, coloque-a na cadeirinha e prenda o cinto. Mantenha uma conversa calma e explicativa, reforçando que é para a segurança dela.

Conclusão

Uma abordagem resiliente, paciente, flexível, criativa, firme e amorosa, pode ser a saída para esse tipo de resistência das crianças a usar a cadeirinha.

Tente transformar esse momento de sair com as crianças de carro em algo divertido. Com bom humor, permita certa autonomia a elas nas suas escolhas, e converse claramente sobre a importância da cadeirinha.

Esperamos que essas dicas transforme esse momento caótico que está passando, em um momento de curtição em família, algo divertido, cheio de amor e repleto de segurança para seu bem mais precioso, seu filho.

Letícia Gonçalves Correia

Sou engenheira mecânica, mãe e dedico muitas horas estudando sobre tecnologias de segurança automotiva. Já trabalhei em fábricas de dispositivos de retenção de crianças, por isso me especializei profundamente no assunto. Hoje sou consultora técnica no blog e redatora profissional, escrevo em diversos blogs infantis.
Botão Voltar ao topo